NA FRENTE DA NEGOCIAÇÃO: SAE-DF EM BUSCA DE AVANÇOS NA PAUTA REMANESCENTE DA GREVE

Sindicato negocia com SEEDF por melhorias para educadores, incluindo nomeações, remanejamento, progressão na carreira e direitos grevistas.

Quem disse que as negociações sindicais não têm seu quê de diplomacia? Quando o Sindicato dos Trabalhadores em Escolas Públicas no Distrito Federal (SAE-DF) se senta à mesa com a Secretaria de Estado de Educação (SEEDF), é um verdadeiro jogo de estratégia e tática, onde cada lado busca o melhor para seus representados, mas sempre de olho no bem comum. Essas conversas são importantes, afinal, estão moldando o futuro da educação pública no DF.

Por Dentro das Negociações

Nas negociações, discute-se de tudo um pouco: normas internas, questões econômicas, sociais e, claro, político-sindicais. Tudo isso com um objetivo: chegar a acordos que, sem contrariar a legislação vigente, sejam o melhor possível para os profissionais da carreira de Políticas Públicas e Gestão Educacional (PPGE). É um equilíbrio delicado, mas essencial.

O Que Está em Jogo?

Na última reunião, que aconteceu na tarde de ontem (22/02), várias pautas importantes foram colocadas à mesa. O SAE-DF trouxe para a discussão desde a urgência na nomeação de gestores aprovados em concursos até propostas de remanejamento e ajustes legais que impactam diretamente no dia a dia dos profissionais da educação. Vamos dar uma olhada em alguns desses pontos?

  • Concurso público à vista e novas nomeações: O SAE-DF pressiona por rapidez nas nomeações dos aprovados no último concurso. A resposta da SEEDF? O chamamento de gestores do último concurso ocorrerá entre o primeiro e o segundo semestre deste ano, com a promessa de um novo edital até novembro de 2024.
  • Remanejamento de servidores: Um pedido do sindicato que parece ter encontrado eco na SEEDF, que promete uma proposta em 30 dias.
  • Progressão na carreira: Uma das reivindicações é alterar a lei para permitir progressão por tempo de serviço antes de completar o estágio probatório. A SEEDF, porém, jogou para 2026 a possibilidade de ajuste orçamentário para isso.
  • Conversão de licença prêmio em pecúnia: Uma questão que ainda esbarra na liberação de verbas, mas parece estar caminhando para uma solução no segundo semestre de 2024.
  • Ampliação da carga horária para Monitores: Uma proposta de estudo para ampliação está na mesa, aguardando avaliação por parte da SEEDF.

O Ponto da Discórdia: Dias de Greve

Um ponto, contudo, gerou mais calor: a negociação dos dias parados devido à greve. Aqui, o SAE-DF mantém uma postura firme, reforçando o direito à greve e questionando qualquer tentativa de corte de ponto, baseando-se na legalidade da greve da categoria.

Próximos Passos

E a conversa não para por aí. A pauta é extensa e o principal ponto é a Reestruturação da Carreira PPGE. As partes já marcaram um novo round para o dia 27 de fevereiro. A esperança? Que avanços significativos possam ser alcançados, sempre visando o melhor para os profissionais da educação e, claro, para a qualidade do ensino oferecido à população do DF.

E Agora?

Essas negociações são mais do que meros encontros burocráticos; são o palco no qual o futuro da carreira PPGE começa a ser desenhado. É uma luta constante, mas necessária, por condições de trabalho justas, qualidade de ensino e reconhecimento do papel fundamental que os educadores desempenham.

Receba nosso boletim informativo

Não enviamos spam! Leia nossa política de privacidade para mais detalhes.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Pular para o conteúdo