Carta Aberta ao Cidadão do Distrito Federal: O Brasil precisa da democracia

 

A educação é a base da construção de um estado democrático de direito forte e nós, profissionais da educação, temos uma tarefa da cumprir

Poder do povo. A tradução literal do grego nos ensina o que é a democracia e renova a nossa energia para respeitá-la e defendê-la. Nenhum momento do passado recente exigiu de todos nós, cidadãos brasileiros, tanta energia e mobilização para afirmar: o Brasil precisa da democracia, o povo brasileiro deseja a democracia. Nós vamos lutar por ela e impedir que ameaças se transformem em ação que leve o país para mais um passo atrás. A democracia é a nossa escolha e, por ela, erguemos as nossas vozes e unimos as nossas vidas.

Os últimos quatro anos foram marcados por uma volta a um passado que o brasileiro não quer mais. Inflação e desemprego galopantes jogaram milhões de famílias de volta à miséria, retirando a perspectiva e qualidade de vida recém-adquiridas, impondo a fome ou a subsistência precária; aprofundando o fosso que separa os mais pobres do acesso à saúde, à segurança pública, à moradia digna, à educação de qualidade.

O Brasil voltou ao mapa da fome e hoje convive com doenças que haviam sido erradicadas há anos, efeitos de um governo que não governa e cuja política é a da aniquilação de direitos e sonhos, da venda de espaços de poder em detrimento de políticas públicas que protejam a população. Nesse período, a alternância de poder desencadeou um pesadelo civilizatório em que o brasileiro tem de enfrentar não apenas a fome e o desamparo, mas também a intolerância e a violência perpetradas diariamente por cidadãos armados e confiantes na impunidade. Um exemplo e estímulo que vêm de cima, do mandatário do país e seus confrades no poder.

Esse tempo sombrio, de ameaças não mais veladas, de ataques diários e do inegável desmonte de órgãos e políticas públicas destinados a proteger a população e estimular o desenvolvimento econômico com inclusão social, tem na educação e na cultura dois de seus alvos principais. A educação pública caminhou para trás, ainda mais sufocada pela falta de recursos para investimento e de um projeto que lhe garanta a prioridade que merece. Os efeitos da pandemia apenas reforçaram desafios que já estavam colocados perante o poder público, de tirar a educação brasileira de UTI e fazer dela o que ela realmente é: vetor do desenvolvimento do nosso país e de sua gente.

No momento em que assistimos o ápice de ataques e ameaças ao estado democrático de direito, temos de nos manter atentos e preparados para lutar pelo que de mais importante está em jogo nesse 2022: a confirmação e o fortalecimento da democracia brasileira. Democracia com a garantia das liberdades individuais, com o respeito ao próximo, com o estado laico. Democracia perseguindo como sonho um país em que igualdade de oportunidades seja uma experiência real e não apenas discurso vazio em busca de votos.

Nós, profissionais da educação, temos uma grande missão a cumprir nesse momento. Responsáveis pela formação de crianças e jovens, gerações que construirão o futuro do Brasil, é nosso papel manter a vigilância e a defesa da democracia. Fazer do nosso dia a dia de trabalho espaço para mostrar a importância da democracia, do respeito à legalidade e ao próximo, do diálogo como ferramenta de construção de mudanças e avanços. É na educação que temos a chave para construir o país que desejamos e precisamos.

O Sindicato dos Trabalhadores em Escolas Públicas no Distrito Federal (SAE DF) se une à sociedade civil organizada em defesa da democracia brasileira e do estado de direito. E conclama a todos os seus filiados a fazerem o mesmo, renovando a confiança em dias melhores para o Brasil.

Brasília DF, 22 de agosto de 2022

Diretoria Colegiada

Sindicato dos Trabalhadores em Escolas Públicas no Distrito Federal (SAE DF)

 

Acesse a carta aberta em favor da democracia, clicando aqui.

 

Receba nosso boletim informativo

Não enviamos spam! Leia nossa política de privacidade para mais detalhes.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Pular para o conteúdo